Olá meninas!

Estes dias me deparei com o desabafo da Niina Secrets – uma blogueira muito linda por sinal – sobre os comentários relacionados ao peso dela! Fiquei pensando sobre o assunto e o quanto um “padrão” estipulado como sendo ” o certo”, “o aceito”, “o bonito” pode trazer problemas e, até, virar doença.

Para quem não sabe, sou nutricionista e, por alguns anos, tive consultório e posso afirmar que, 90% dos meus pacientes eram mulheres insatisfeitas com o peso. Até aí, nenhuma novidade! A novidade vem agora: dentre as inúmeras perguntas que a paciente respondia na consulta, as 2 perguntas que eu sempre fazia para todas elas era: “Fulana, voce já teve um peso que considerava legal para voce… que voce se sentia linda e feliz?” Metade das mulheres respondia: NÃO! Então vinha a segunda pergunta: “Qual o peso que voce acha que faria isto por voce”? A resposta é sempre a mesma: “Como não sou modelo, acredito que no mínimo 10kg a menos que a minha altura seria o ideal”

  

Posso dizer sem medo de errar que está conta é furada!!! Existem muitas variáveis para querer colocar todas as pessoas dentro de uma “continha” simplificada e, nem a balança nem o IMC (Índice de Massa Corporal – outra conta que é útil, porém está longe de ser um parâmetro efetivo em consultório, onde o objetivo é o “tratamento individualizado”) são os meios mais eficazes para determinar se voce está ou não “magro”! Poderia ficar horas falando sobre isto mas não é o tema do post!rss

Aí vem a pergunta: Quem disse que para estarmos felizes com o nosso corpictho temos que pesar 10kg a menos que a nossa altura??? Variáveis como massa muscular e estrutura óssea não contam então?! Atribuo boa parte destes absurdos à mídia. Gente, tem muuuita mentira no que elas falam! Muita mesmo! Já fiquei lado a lado de algumas artistas que nas revistas dizem ter 1,68 – 1,70m e, quando cheguei perto, vi que são no máximo do meu tamanho (1.60m).

Acho súper válido querer melhorar sempre, estipular metas e objetivos para nos sentirmos bem e felizes mas não pelos outros e sem esquecer de 2 coisas importantíssimas: Saúde e Biotipo. Não adianta nada eu, no auge dos meus 1.60m (rss) ter como referencial de beleza a Gisele Bundchen. Ela é linda e maravilhosa, eu sei, mas totalmente longe do meu perfil. Se voce acha que é necessário ter uma referência para se inspirar e te dar motivação para seguir uma Reeducação Alimentar (não gosto muito do termo Dieta) e Atividade Física, seja realista e sincera com voce;  busque uma referência que tenha o seu perfil. Existem muitas mulheres lindas (inclusive na TV) que estão bem longe de ser a Gisele B., por exemplo, e são lindas e em forma!

                                         Revista Shape/Divulgação  

Quando digo para ser SINCERA com você mesma refiro-me a TUDO! Ao seu biotipo, ao quanto voce está disposta a mudar hábitos, ao tempo disponível para tal mudança, etc.

Eu, Gianna, sou contra qualquer tipo de radicalismo! Aliás, vou aproveitar o ensejo para explicar que o “Light” do nome do meu blog “Light e Feminina” não faz referencia a dieta e, sim, a viver leve! É o jeito que eu acho que a vida deve ser! Certamente recebi (e receberei) muitas críticas das minhas companheiras nutris e outros profissionais da saúde quanto ao meu estilo de vida (fotos do IG, Fb, etc.) mas é como EU gosto e acho que vale a pena seguir. Respeito as nutris (ou não) super lights, zero glúten e lactose, funcionais, as “fit” e, até admiro a força de vontade e disciplina delas mas, para mim, este viver assim não faz a minha cabeça! Acredito na dieta como um “Estilo de Vida” mas, este estilo, tem que combinar com você, com os seus hábitos, sua rotina, respeitando alguma intolerância/doença existente e conservando sua saúde e bom humor! Vou dar um exemplo: Quem não quer uma barriga lisa e um bumbum tipo “Sabrina Sato”?! Mas, para tal, teremos que contar com o trio: genética + alimentaçäo adequada (dieta) + exercícios físicos adequados, correto?! Ok! Aí vem as questōes:

1) O quanto isto é, realmente, importante para mim tendo em vista o que terei que abdicar e me dedicar para atingi-lo??

2) Quanto “disto” estou disposta a me empenhar??

São as duas perguntas que voce terá que “se fazer” e “se responder” com toda a sinceridade pois a chance de fracassar no meio do caminho é grande!

Vou responder por mim! Eu curto estar com um corpo bacana porque gosto de me olhar no espelho e me sentir bem! … mas entre as opçōes : 1) me sentir bem + fazer art dance e zumba (fiz 2 aulas e estou in love) + comer docinhos diariamente, tomar uma coca-cola quando estou afim, comer pao de queijo com capuccino na hora que bater a vontade, sair para comer coisas “mais gordas” no fim de semana e, 2) me sentir incrivelmente bem + com a barriga e a bunda impecável + seguindo uma dieta rígida, fazendo exercícios intensos e musculação regulamente  (que eu odeio mto!) … ahhh, eu fico com a primeira opção!

Veja que eu não disse que não me preocupo com meu corpo, disse que o “sacrifício” que estou disposta a fazer é o suficiente para manter-me saudável e com um corpo bom! Ponto.

Acredito que a chave para sentir-se bem, em todos os sentidos, é o equilíbrio.

Se voce quer mudar alguma coisa que está te incomodando, mude! Nós mulheres sempre queremos melhorar alguma coisa, né?!rss Mas não seja cruel com você! Trace um objetivo e estipule metas curtas mas que não seja uma tortura cumprir! Toda mudança gera um “sacrificio” porque teremos que sair da nossa “zona de conforto” mas, se voce começar aos poucos e encarar cada mudança como algo que permanecerá para a vida toda, será mais fácil! Pode apostar!

Então é isso meninas! Se gostaram do post e quiserem dicas, deixem um recadinho para mim e mandem sugestões … vou adorar!!

Beijinhos

 

 


Olá!!

Existem inúmeros “Gurus da Dieta” por aí… uns excluem quase que totalmente os Carboidratos pois os consideram vilão, outros condenam as carnes vermelhas e de porco, outros preferem a teoria de alimentar-se, apenas, de alimentos que não sofrem modificação/cocção e assim vai… mas, e aí, o que a Nutrição como Ciência diz?!

Não dá para falar deste assunto sem antes falar, um pouquinho, sobre as Leis da Alimentação definidas por Pedro Escudeiro em 1937. Estas 4 leis são consideradas como base de uma alimentação saudável para qualquer individuo.

São elas: Lei da Quantidade, Lei da Qualidade, Lei da Harmonia, Lei da Adequação.

Vamos entender rapidamente cada uma delas, ok?!

Lei da Quantidade: a quantidade de alimentos deve ser suficiente para cobrir as exigências energéticas do organismo e manter em equilíbrio o seu balanço. Cada indivíduo necessita de quantidades específicas para manter suas funções orgânicas e atividades diárias.

Lei da Qualidade: deve ser completa para oferecer ao organismo todas as substancias que o integram; a variedade de alimentos fornece todos os nutrientes necessários ao bom funcionamento do corpo. Então, quanto mais colorida a refeição, mais diversidade de nutrientes você estará ingerindo.

Lei da Harmonia:  a quantidade dos diversos nutrientes que integram a alimentação deve guardar uma relação de proporção entre si. O nosso organismo aproveita corretamente os nutrientes se estes se encontram em proporções adequadas. Por este motivo é tão importante incluir todos os Grupos Alimentares – macronutrientes (carboidratos, proteínas, lipídios) e micronutrientes (vitaminas e minerais), além das fibras (solúveis e insolúveis).

Lei da Adequação: o estado fisiológico (gestação, lactação), hábitos alimentares (cultura), condições sócio-econômicas (acesso aos alimentos), alterações patológicas (doenças, disfunções) e os ciclos de vida (criança, adolescente, adulto, idoso) fazem com que o organismo tenha necessidades nutricionais diferenciadas.

Por tanto, uma alimentação saudável deve contemplar estas 4 “regras” sendo assim, podemos definir que para ser considerada “Alimentação Saudável”, esta deve ser quantitativamente suficiente, qualitativamente completa, harmoniosa em seus componentes e adequada à sua finalidade e ao indivíduo a quem se destina. (ou seja, é individualizado!!!!)

Nós dividimos os nutrientes em 2 grupos: MACRONUTRIENTES e MICRONUTRIENTES.


MACRO: são necessários em maior quantidade, são fontes de vários nutrientes importantes para o organismo  – Carboidratos (Pães, Tubérculos, Cereais), Proteínas (Carnes, Ovos, Leite e derivados), Lipídeos (gorduras)

Além das fibras , importantíssimas para nós!

MICRO: são necessários em menor quantidade comparado aos macronutrientes mas essenciais para o bom funcionamento do organismo- Vitaminas e Minerais.

Falarei mais de cada um deles em outro Post!

Então, para que haja equilíbrio precisamos incluir, de maneira adequada, cada um destes nutrientes na Dieta.

 

                                       

DICA DA GI: Além destas “4 leis”, é muito importante que fracionemos nossas refeições. Recomendo de 4-8 refeições por dia!! Isto é individual e vai depender da sua rotina… vale lembrar que, a alimentação saudável contempla uma vida social saudável tb!!!

Claro que, dependendo do seu objetivo ou de alguma patologia associada, voce terá mais ou menos “sacrifícios” mas acho importante salientar que, “Alimentar-se Bem”, não significa comer muito ou sofrimento, ok?!

Afinal, comer é e sempre será um prazer e, muitas vezes, comemoramos datas especiais,  reunimos os amigos, a família assim…comendo!!!rss … e isso é sempre muito bom e prazeroso!

Equilíbrio é a palavra chave, sempre!!

Beijos Pinks pra voces!!!   


2 pages